Fernando Grecco apresenta TEMPO

Terceiro single do compositor faz parte de seu disco que será lançado em 2021

Seguindo com a série de lançamentos que antecedem o seu novo disco, Fernando Grecco apresenta o single Tempo, que estará disponível no dia 26 de fevereiro nas plataformas digitais, assim como o vídeo em suas redes sociais na mesma data. A composição inédita chega logo após o lançamento de Canto e Agora, faixas que também estarão no terceiro disco da carreira do compositor, previsto para agosto de 2021. 

O lançamento reforça um momento em que Fernando se consolida como cantautor e produtor musical. A música tem arranjos de voz de Tatiana Parra, que também faz participação especial como intérprete ao lado de Fernando (violão, vozes, programação de sintetizadores e bateria eletrônica). André Lima (programação de sintetizadores, bateria eletrônica e baixo sintetizado) e Chrys Galante (percussões) compõem a banda. O vídeo tem a direção também de Chrys Galante. Nesse trabalho, o músico propõe a reflexão sobre o tempo não linear, quando coloca sintetizadores representando um futuro idealizado e as percussões como um passado primitivo. 

Antes da pandemia, Fernando já havia decidido a gravar um disco novo. Chamou o produtor Ale Siqueira que, morando em Portugal, ajudou o músico nos primeiros singles, Canto e Agora. “Tempo, o terceiro single, foi totalmente composto e produzido durante a infinentena. A motivação foi uma oficina de composição que fiz em maio com o Antônio Loureiro”, conta Fernando. E completa, “o tempo é um tema recorrente nas últimas canções, seja pelo período da minha vida, me reinventando aos 50 anos, seja pela época em que vivemos, tendo que lidar com a ansiedade e a energia acumulada, querendo fazer mais coisas, mas nos adaptando, por tempo ainda indeterminado, com esta situação insólita”.

Paulistano, Fernando cresceu na década de 1970 ouvindo o melhor da MPB em programas de rádio e televisão. Iniciou os estudos em música aos 15 anos, quando, fascinado por bandas de heavy metal como Iron Maiden e Black Sabbath, começou a tocar guitarra. Mas, aos 17 anos, entrou para a faculdade de Engenharia Elétrica, deixando a música em um mundo paralelo. Na faculdade, teve contato com o rock progressivo, o jazz e a música erudita, ampliando seu gosto musical. Chegou a criar uma banda para tocar sons do grupo canadense Rush. Seguiu, no entanto, a carreira de executivo na área de informática, e depois atuando na área de Marketing, onde podia usar um pouco de seu veio criativo, que foi fundamental na idealização da Borandá, em 2009.

Após a criação do selo, o seu ímpeto artístico retomou fôlego. Montou o grupo Zanzibar, que fazia versões instrumentais para canções de Edu Lobo, ao lado de Miguel Fernandes (violões), Beto Angerosa (percussão e voz) e Edgar Bueno (tabla indiana e voz), gravando três vídeos e realizando turnê de shows. Logo depois de ser formar na pós-graduação em Canção Popular pela Faculdade Santa Marcelina e começou a escrever poemas com maior liberdade, e em 2017, lança o álbum de canções, Repente da Palavra. O trabalho é autoral, tem a produção de Bernardo Goys e conta com músicos como Antônio Loureiro, Thiago Rabello, Marcelo Mariano e Guilherme Ribeiro. 

Em 2018 montou seu primeiro show autoral, que circulou em teatros e casas noturnas de São Paulo, com o mesmo nome doe seu EP “Repente da Palavra”,  onde entremeava textos teatrais e reflexões existenciais com as canções, em sua maioria autorais, com algmas versões como a de “Filosofia” (Noel Rosa/André Filho), buscando inspiração em suas leituras de filosofia e psicanálise, citando autores como Platão, Lacan, Wittgenstein, Wally Salomão, Ferreira Gullar e Clarice Lispector, entre outros. 

Seu novo trabalho autoral, ainda sem título, será lançado no segundo semestre de 2021, incluindo os três ultimos singles lançados, “Canto”, “Agora” e “Tempo”.